segunda-feira, 13 de outubro de 2008

O Choro no Vaso - II

Dada a hora do almoço, saíra à rua em busca de algo que não lhe fizesse mal, não comeria no mesmo lugar de ontem. Dor, muita dor, como estava a pé, não aguentou, acabou-se de cócoras em frente à seção de jornais de uma banca para não ser mal visto. Permaneceu lá durante uns dois minutos. Tossiu, a dor agravou-se, gemeu discretamente. Abriu o primeiro que encontrou, leu algumas palavras aleatórias, achou-se nos óbitos, susto, não passava de um homônimo. Viu uma gota de seu suor misturar-se às letras da imprensa, a dor tornara-se, enfim, suportável. Levantou, resolveu pagar o jornal que compartilhara com ele a penosa sensação.

Já com o jornal em mãos, olhou para trás e viu um café, um romanticíssimo e simpático café, nunca prestara atenção no estabelecimento antes daquela intragável situação. São nesses momentos, estranhos, que nos surpreendemos, por não esperar mais nada. Entrou no café: bolos, bombas das mais variadas espécies, doces tradicionais, pudins, quindins, a perdição encontrava-se atrás do vidro. Todavia, a dor o acompanhara, resolveu sentar-se, sapiou o cardápio do dia escrito em gis branco numa lousa. Preferiu o lanche simples acompanhado de expresso. Olhava de olhar baixo.

8 comentários:

Bin Bean disse...

Sensacional , mas uma pergunta vem a tona ele é sádico ? ? ?

Waiting part III

Kenia disse...

ahhhhh.. O choro do vaso é muito bomm.. AMEI a historia.. xD Beijos

Mateus disse...

fica massa cusao
sdahashud
zuera



quero ler o 3!

Gi disse...

quero ler o 3! [2]

Kenia disse...

Eu já sei o final.. LERO-LERO-LERO!!
hauahua

mari disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Tomas disse...

GUSPE? VOCÊ QUER PASSAR ONDE FALANDO GUSPE??

Gabriel. disse...

Tadinha todo estudo, moralmente destruído em um "guspe".
Notem meu retorno a moringa.