quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Dancing on the ceiling

As pessoas falam demais. Estão felizes e apaixonadas o tempo todo e insistem em sair dizendo isso por aí. Não conseguem guardar uma experiência ou um desejo sequer para si mesmas. Acham que bom, de verdade, é o mundo estar em sintonia com todas as bobagens existentes em suas cabeças e que isso sim é maturidade emocional.
Superestimam qualquer sentimento. Mostram fotos e arrumam cabelos, aguardando ansiosamente comentários e conforto, sejam verdadeiros ou falsos, espontâneos ou forçados. Viajam por um fim de semana e já esperam deixar saudades.
Ninguém sabe nem mais beber sozinho. Só é legal se for para gritar e dizer que ama à toa.


E eu aqui falando.

3 comentários:

Bin Bean disse...

Cara , eu T AMOOO , mas não no sentido brokeback mountain da coisa.

akele hug

RogerioBuratti disse...

o egoismo é uma doença quase incurável. o desejo doentio de ser, sempre, percebido é uma das mais variadas formas de manifestação do egoismo. talvez a mais inofenciva delas, o que não a livra de ser incomoda e chata. é como o pai ou mãe que não cansa de vangloriar-se da beleza, por vezes comum, de seu pimpolho.

Ótimo texto para o dia da consciência negra.

Conseguir falar o que os outros pensam é uma arte.

Obs. não vou aqui me enquadrar no pai que se vangloria do filho. mas parabens.

mari disse...

POXA, TOMAS HENRIQUE. VC É UM MAL AMADO.