domingo, 9 de novembro de 2008

Is you is or is you ain't my baby?

Lembro de um episódio de Tom e Jerry em que Tom seduz uma gata tocando contrabaixo e cantando Is You Is or Is You Ain't My Baby?, canção de quando “mais espremidos do que nunca pelos brancos, os negros americanos construíram um céu musical em que pudessem habitar longe dessa terra infernal”. Foi assim desde o lamento daqueles anônimos fundadores da grande música americana, no velho Mississipi. Por que será que os negros foram protagonistas de quase tudo o que se fez de interessante na música popular do último século?

-x-

“O Clinton vai sair da Casa Branca de algemas, vocês vão ver!”.
É um exemplo de como previsões,
sejam sérias ou irônicas, costumam dar mais errado do que certo. Mas não custa tentar.

As eleições americanas parecem ter sido mais indiretas do que o habitual. O mundo elegeu seu presidente antes dos Estados Unidos, aturdido pelos abusos e pela decadência dos últimos oito anos. Após tanta tempestade, virá mesmo a bonança? Ou seria melhor dizer mudança? Com um déficit trilionário e uma recessão à vista, não há mudança que dê conta de tudo.
A América – a terra prometida de oportunidade e glória – continuará sendo a América.

-x-

De qualquer maneira, Barack é febre porque é
cool: é negro, carismático e elegante. Não é o preto que colheu algodão, é o mulato livre, descendente direto da África, viajado, aculturado e diplomado.
Falo do candidato Obama. O presidente eleito sequer sorriu no discurso da vitória e mostrou-se pragmático quanto ao futuro. É ciente de sua inexperiência e do que está por vir. Talvez sejam essas suas maiores virtudes políticas.

Imagine só se ele tocasse um trompete?




*Ambas as citações do texto são de Paulo Francis. Gostaria de saber o que ele acharia disso tudo.

3 comentários:

Jorge disse...

se ele tocasse um trompete, será que o mundo ouviria a música dele da mesma maneira que seguem sua campanha?

Bin Bean disse...

Se ele tocasse uma arpa . . .
seria o primeiro afro-americano
a ser presidente e a tocar arpa, eu acho (não tem uma pesquisa por trás desse comentário, aliás não tem nada por trás - só para esclarecer)

akele hug

www.neurotropina.blogspot.com

Edninha disse...

Tomás!
Parabéns! Adorei seu texto sobre o Obama e a análise da conjuntura política e musical.
Vc está pronto para escrever na Folha de S.Paulo.
Vc vai longe baby!