sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Da guerra interior e os malefícios epicuristas

Por nosso correspondente Igor, em 17/01, domingo à noite, diretamente do front de sua latrina.

Eu bem que poderia começar com uma citação do nosso aforista-mor, Nelson Rodrigues, mas, dadas as circunstâncias, seria melhor eu lembrar ao leitor alguns aspectos de sua vida. Conforme Ruy Castro, na biografia de Nelson, Anjo Pornográfico, o dramaturgo passou por maus bocados durante toda sua existência, e, para agravar a situação, a úlcera desde sempre o acompanhou. Tanto que tornaram-se famosos os seus suspensórios, pois tamanha era a dor que Nelson não conseguia usar cintos, e, em períodos de crises, alimentava-se de uma papinha preparada pela esposa. Nem de longe passo ou passei por tudo que Nelson Rodrigues passou; salvas as devidas proporções, porém, sou levado a crer que a dor deve ajudar no momento da criação.

Sobre algumas das técnicas-calmantes, o que temos aqui hoje é o alívio da dor de dentro, senhor leitor. Nada de cunho pseudopoético, falo da gastrite mesmo. E sua digievolução, a úlcera. Dizem que além da má alimentação; da não-produção de certas enzimas digestivas e da superprodução de ácido clorídrico, um dos grandes fatores dessa moléstia é o stress cotidiano, pelo qual todo ser urbanizado passa. Até os pombos. No entanto não me fixarei na ambiência do stress sucedido no ano nem às suas causas. Sei que a gastrite foi um dos males que me afligiram ano passado, e o alívio desta considero como um calmante de primeira. Fora a minha SII, que não comentarei por pura discrição. Parar de sentir dor é tão bom que chega a ser prazeroso.

Com efeito, me lembrei do assunto porque estou tendo hoje minha pior crise de gastrite da vida. Por estas letras pacíficas o leitor não toma completa idéia, mas lhe tentarei dar uma dimensão maior do que sinto agora. É uma vontade de jogar-se ao chão e mordê-lo a não mais, ou até quebrar os dentes, tamanha a histeria interior. É algo mais ou menos como uma ex-namorada de TPM dentro de seu estômago que passa a arranhá-lo até sangrar pelos seus erros do passado. O problema é que insisto em erros do passado. Eu sei o que devo comer para sofrer no porvir. Mas o que faço com esta negligência-humana que sou? Acompanhe, ressaltarei meus erros:

Antes de dormir, pela madrugada, comi meia torta de palmito e uma colher de brigadeiro. Fui dormir às 7h30 da manhã, acordei pelas 12h30, e junto do jornal do dia anterior digeri dois pãezinhos-de-fôrma com manteiga. Depois veio meio copinho de café. Já que havíamos combinado de almoçar fora, jejuei até às 5h da tarde. Batata, as dores começaram já àquela hora. E para amenizar a irritação decidi por comer uns tantinhos de farinha de mandioca, o que melhorou um pouco. Livrei-me, pelo menos, de me contorcer em público sem nem ao menos receber um trocado pelo espetáculo circense aos desavisados e sádicos. Havia, com a farinha, um tempo maior entre os espasmos de dor. Estávamos no Epicurista, restaurante de comida nordestina. Arroz-de-leite, carreteiro, baião-de-dois, lingüiças, almeirão refogado, e muita, mas muita pimenta. Por um instante me senti em pleno direito de amaldiçoar Epicuro e toda sua filosofia barata do prazer-miojo.

Para finalizar, como ainda não parei de sentir dor, como não estou calmo, como não estou em uma situação ideal para terminar um post, recomendo pelo menos um paliativo. Além de todos aqueles hidróxidos que você encontra facilmente nas drogarias, conheçam também uma erva cujo nome se justifica, pelo menos entre os que sofrem do mal estomacal: a espinheira-santa. Bendita seja ela e esse alívio, que me deixa escrever.

5 comentários:

chozo; disse...

Perdi o doce japonês mais gostoso por causa de uma gastrite. Todos os males da gastrite ficaram gravados no pobre doce. E minha mãe tinha acabado de aprender a fazer.

Tome sopa, a representação mais brasileira na comida.

Igor disse...

doce japonês e mais gostoso não formam um paradoxo? hehe
(é um trauma pessoal)

Bá disse...

auhIAUHIAU Igoor,parece que eu vejo sua cara de "to com gastrite"
Mas ein,vc comeu farinha de mandioca PURA? (é a sua cara fazer isso )

Bá disse...

auhIAUHIAU Igoor,parece que eu vejo sua cara de "to com gastrite"
Mas ein,vc comeu farinha de mandioca PURA? (é a sua cara fazer isso )

chozo; disse...

para um japonês, acho que forma um pleonasmo?