sexta-feira, 19 de março de 2010

A mão que segura Lucas

Lucas segura uma mão;
ele gosta de skate,
mas agora segura uma mão.

Gosta de andar pela cidade com seu skate,
com seu skate e com seus amigos,
descendo as ladeiras mais perigosas do mundo
com seu skate.

Mas agora segura uma mão.
E essa mão segura a mão de Lucas,
que segura uma mão que respeita muito,
sem saber por quê.

E não é a mão que ajudou Lucas
a atravessar a comprida avenida,
tendo ele ficado bravo de ter que
segurar uma mão para atravessar
a comprida avenida, que para Lucas
era só mais uma avenida,
afinal já tem 14 anos.

Não é a mão da mãe de Lucas
que ele segura
e que segura a mão de Lucas.

[A mãe de Lucas cuida de Lucas.]

Não é uma mão qualquer,
é uma mão mais pesada.
Mais pesada que qualquer
outra mão para Lucas, já que
segura forte a mão de Lucas,
que por sua vez segura forte também.

E essa força para Lucas
tem uma força mais forte
que as outras forças de mãos
que se seguram de forma
recíproca e com força.

Mas não é a mão
do pai de Lucas,
que para Lucas é
o melhor pedreiro
das redondezas.

[A mão que Lucas segura e que segura a mão de Lucas não tem calos como a mão do pai.]

E é também mais leve.
Mais leve que todas
as outras mãos que
Lucas já pôs a mão.

[É cheia de emoção, mas Lucas não sabe por quê.]

A mão que segura a mão
de Lucas não pega só a mão,
vai pelos braços,
chega ao coração,
e arrepia onde Lucas tem pêlos.

Mas a mão que Lucas aperta
e que aperta a mão de Lucas
não é a mão que Lucas
apertou com força outro dia:
uma mão pesada
e leve e cheia de emoção
mesmo sem saber por que
e que também arrepiou Lucas.

Não.

A mão que aperta
a mão de Lucas não
é a mão de Maria Luisa,
sua namoradinha,
a mais bonita da escola.

[A mão que aperta a mão de Lucas é menor.]

É menor que todas as outras mãos
que Lucas já apertou na sua vida
inteira de rapaz de 14 anos
e que gosta de andar
de skate com seus
amigos pelas
ladeiras.

E dentro de Lucas,
mesmo sem saber por quê,
é também a mão mais bonita que já viu no mundo inteirinho.

[Mais bonita que a sua namorada Maria Luisa, que Lucas gosta muito mesmo, mas ainda assim é mais bonita.]

E enquanto Lucas
segura a mão que
segura a mão de Lucas,
pensando em como é
bonita e pequena e leve
e para Lucas muito pesada também,
essa mão que ele aperta
e que aperta
a mão dele com força.
Que é cheia de emoção e que arrepia.

Enquanto isso, todos estão lá:
a mãe de Lucas enxuga os olhos,
o pai de Lucas olha pela janela,
Maria Luisa dorme,
e Lucas agora segura a mãozinha como alguém segura um passarinho ferido.

[Ele segura a mão como um pai segura a mão de um filho, que também segura a mão do pai.]

E de repente,
sem saber por quê, Lucas chora.

10 comentários:

Kenia disse...

Gostei do post. muito mesmo, igor! beijoos

duuda disse...

mas que merda não sei de quem é a mão! vo ler mais uma vez..

duuda disse...

é a mão do irmãozinho/a delee?
hahaha isso não importaa,
o texto ficou singelo e lindo bell!
beijos

Tomas disse...

NOSSA QUE BURRA LÊ DIREITO

Igor disse...

dá zero pra ela

Duuda disse...

aaaaaaaah vão cagarrrr só pq eu n tenho a sensibilidade poética de vcss!!
eu vo coloca uma integral aiii na moringa e vamo resolve essa paraada!

Duuda disse...

Háa é o filho deleee
não tinha sacadoo que ele cresceu no meio da história
se nao for eu desisto!

Tomas disse...

ainda bem que você vai ser engenheira

duuda disse...

aaah eu desisto mesmo! Vcs são mt artiisticos demais pra mim

Mari Carrara disse...

ei, igor! não sabia onde responder seu comentário, vai por aqui. gostei mto desse lugar! como vcs conseguem colocar música e todos esses links legais do lado direito? gostei mto deste daqui tb, mas confesso que tb nao sei de quem é a mão! ele morreu, e segura a própria mão? enfim, eu nao costumo entender as coisas mesmo. mas é bem bonito. beijos