domingo, 9 de maio de 2010

Late, late show

Uma das tantas coisas que me aborrecem na imprensa televisiva e na comunicação em geral são os depoimentos dramáticos. Não pelo drama em si, eventualmente legítimo, mas pelas lágrimas. Também não devido às próprias lágrimas, muitas vezes sinceras e sem sombra de encenação, e sim pelo rapaz da câmera que, ao perceber um prenúncio de choro, foca a arma preta gigantesca carregada sobre seu ombro nos olhos do retratado, aguardando o pranto.

O zoom arruína a emoção. É como um poema, um texto, uma declaração, com sua mensagem oculta, terrível e belíssima posta em negrito, destacada em maiúsculas, feito noticiário investigativo. O assassinato hediondo de qualquer lirismo que tenha ousado disfarçar-se entre as palavras; poesia esquartejada, posta em sacos plásticos e espalhada por várias lixeiras em cantos distintos da cidade.

As lágrimas mais sinceras que já presenciei sempre saíram na surdina, fugidas, renegadas; lentas só para contrariar a sobriedade. O lamento surdo ouvido através das paredes, esse sim é melancólico. É o choro discreto na poltrona do cinema.

A explicitação sangra a sutileza e a transforma em uma linguiça de chouriço, pendurada num açougue: é só pedir, embalar e comer. O jornalismo dado por arte existe, em menores tiragens e endereços obscuros, à margem das sensacionais reportagens conduzidas pelos grandes e bons. Tão bons que perderam, em meio a um contrato e outro, a distinção entre o enternecedor e o burlesco. Esse jornalismo está mais para uma imensa e enfadonha nota de rodapé do que para um texto literário. Uma rubrica de lágrima escorrendo no domingo à noite.

4 comentários:

mari disse...

prometo ser uma jornalista-artista, mesmo que fique à margem de todos esses pseudoformadoresdeopinião. amém.

Bá disse...

Tommy te odeio,sempre pensei isso mas acho que eu NUNCA conseguiria explicitar xD Muito bom..Beijos na bunda

Igor disse...

A conjuntivite me faz chorar assim o tempo todo.

No mais,
que mais?
É texto
de Tomás

Que por
si só
em si
se faz...

turma disse...

Calma tomy, daqui uns tempos a mari resolve seus problemas.
Um Grande Beijo!