sábado, 2 de julho de 2011

Tipo um romance

(Atrasado para o dia 12)

Foi na dele. Entre os impostores do salão, tinha os dentes mais bonitos. E ainda lhe contaria o que faltava nela. Queria o nome sussurrado em seu ouvido; Marcus James é de arrepiar qualquer cristã se bem soprado, de assalto. Ou provocar riso, de deboche. Não foi, e ele falou meio assim, antevendo reação adversa. "Não sei pra que outra história de amor a essa hora".

Mas ela estava tipo afim.

– Não entendo do que você ri.
– Eu não entendo as suas piadas.

Fitava-o cândida, parecendo esperar alguma coisa. Ele fazia de conta não conseguir, empurrando a culpa feito batata quente.

"Bobagem te cantar agora. Eu, tonto; você, falando grego. Logo você, que ignora Rilke e desconhece como sorri assim, aérea igual a mulher do Francis. Nem quero tentar lhe dizer."
"Tenta dizer nada, chega de falar do esmalte, que tem meu esmalte, diabo?

– Não sei, daí...

"Por que somente agora você vem?"


E passam os meses, corridos, inúteis, embaralhados, arquitetando assunto só para poder continuar amassando o nariz naquele nariz. Afastava os amigos, aceitava o perigo, a loucura.
No domingo, contudo, tentou ser simples, tal qual um ramalhete, finalmente. Fatal.

Aceitaria um poema, um chocolate, uma desculpa. Engoliria a outra. Mas não, rosas não! – ela, farta de arranjos. A flor supre a ausência de ideia.

5 comentários:

Igor disse...

Isso me lembra um papel colado na porta interna da sala do XI escrito:

"'EU NÃO LIGO NO DIA SEGUINTE, EU NÃO MANDO FLORES'

Igor Mimimoreno mimimizando"

Foi aí que descobri que dá pra ser mimimi sem mandar flores.

Tomás disse...

http://noticias.uol.com.br/cotidiano/2011/07/11/homem-cai-de-penhasco-no-parana-ao-tentar-pegar-flor-para-namorada.jhtm

Bá disse...

Adorei,Tommy
Um beijo na bunda

Igor disse...

Anda ouvindo o Chico novo, hain

disse...

"amor e carinho é o que ela querem, e buquê de flor, buquê d-e f-l-o-r!"

Ahhh brincadeira gente, não quero ofender ninguém aqui,não... rs.
Tem gente que gosta de flores, tem gente que não, mas, na minha opinião, o amor desse povo está muito flutuante, ele parece ser mais abstrato do que realmente é. Não há uma forma de mostrar como você gosta de alguém, apesar de todas as opções ultramodernas. Todos esses sentimentos estão nublados, entendem? Na época, as flores até podiam representar algum sentimento, hoje, isso está banalizado, de tanto que bateram nesta tecla. Acho que o que nós estamos esquecendo que as coisas são mais simples do que elas parecem, não precisa de buquê e muito menos de chocolates, e sim, de interesse, compromisso e responsabilidade. Esse são os problemas de hoje, de amanhã e de depois de amanhã...

ADOREI FILOSOFAR AQUI, HAHAHAHA, BEIJOS BEIJOS