quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Tríptico da irrupção interna ao adoçar o café


(contado em segundos para ser lido lentamente)


1"

no mais das vezes não ocorre; e além:
também há um pires pra paliar o fenômeno

no café que frequento sempre vejo
um homem adoçando o seu espresso

à revelia de seus atos, submerso no
líquido escuro espera a redenção

ciente de algo que não sabe o vejo
vulnerável em sua posição de homem

seu pensamento alhures mexe
o café com a colherinha metálica

(a ironia é que, do colmo,
é o açúcar o que melhor se vê)

mal percebe que é o seu café
                          e mal o percebe-se nele

2"

é o café, que
                    na soleira da porta
                                               instigado
                                     o sente
é o café, que
                    no limiar do vômito lento de um câncer
                                                                                         exaurido
                                                                                               depaupero
                                                                                   o prova
é o café, que
                     às esquinas do sorvedouro, 
                                                                       sem parecer,
                                                                                              num ato-falho da pulsão, trans
                                                                                                                                                        sborda

o inesperado infalível,
                                         o insolúvel


3"

com este rosto de resignos moldado por entre estas roupas convencionadas fortuitamente aos gestos na costura deste livro mal digerido sobre a mesa mal percebo que sou o meu café e mal o percebo-me nele quando nada de real ou verdadeiramente belo aconteceu ou acontecerá

no mais das vezes há um pires: agradecêmo-lo?

Nenhum comentário: