sábado, 24 de dezembro de 2011

Fração

"Da velocidade que a perdi, não vi placa nenhuma dizendo estar chegando. Meus almoços e as tardes nas quais preferi fazer outra coisa sequer pesaram, a não ser, talvez, para ela. Aliás, raramente lembro o dia em que ela foi. Às vezes até me foge como. Eu, que vivia doente e era alérgica a quase tudo, não tive coisa melhor a fazer do que assoar o nariz enquanto a observava desaparecer. Meus olhos enchiam-se de lágrimas com qualquer verso, e não chorei. Cigarro era vício, beber já bebia, triste sempre fui. Posso criar razões para meu mau humor, minha cara fechada, minha indolência, o jeito desconfortável de gostar das coisas; é tudo invenção. Mudou-me somente ter começado a atender o telefone, que nunca era pra mim. Até hoje ligam querendo falar com minha mãe. Só respondo que ela não está."